Doutrina Filosofia

Bebidas caras para guias! É realmente necessário?

Bom, irmãos de fé, esse título foi algo que eu ouvi de uma irmã de santo da qual tenho muita confiança e entrou recentemente em nossa egrégora, o exú exigir um whisky de boa qualidade. Com isso eu me pergunto: Um exú quer um whisky de boa qualidade porque ele gosta de beber esse whisky, porque quanto maior a qualidade, melhor o trabalho ou seria porque seu aparelho faz questão de tomar um whisky de alta qualidade.

Para refletir sobre esse assunto, eu gostaria de expor um pouco a minha ideia em relação a isso, em minha opinião, o álcool é apenas um elemento de trabalho relativo à vibração da entidade que o utiliza, trocando em miúdos, quanto maior a necessidade de um trabalho mais próximo ao nosso plano, maior a necessidade em trabalhar com elementos mais densos, como o álcool no caso.

Em hipótese alguma, acredito que isso saia seriamente da boca de um exú, conheço sim, exús que brincam em relação ao whisky que tomam, mas exigir um whisky de boa qualidade para que possam apreciar e trabalhar com ele, para mim seria uma afirmação inadmissível, algo que contraria totalmente as leis da Umbanda, como a humildade tanto pregada pelos nossos queridos vovós e vovôs da Umbanda.

Qual a diferença de um whisky de boa ou má qualidade? Apenas o teor de álcool? A “esmaltação”? Tudo isso seria necessário para o bom andamento dos trabalhos? Creio que não, acredito sim na hipótese de mistificação, acho que o que vale lembrar é sim o teor de álcool e a utilização desse elemento para o trabalho, um exú de Lei, trabalha com qualquer bebida que contenha álcool, talvez, ele tenha uma afinidade maior com determinados tipos de bebidas, talvez alguns prefiram o conhaque, pela existência do gengibre, outros o vinho, pela existência da própria uva, isso realmente é relativo e cada entidade tem uma certa preferência para escolher seus elementos de trabalho, mas no caso exigir um whisky de boa qualidade, como por exemplo, um Red Label, um Chivas, eu acho realmente um absurdo, talvez uma forma materialista do próprio medium ostentar um certo poder ao seu guia, em outras palavras, minha entidade é “chique, enjoada” só toma coisas de boa qualidade. Isso é consequência de um grave defeito que existem entre os filhos da Umbanda, o Antropomorfismo, agora que discutiremos posteriormente, em poucas palavras, é a forma de atribuir todos os pensamentos, defeitos e qualidades humanas aos guias e orixás, como ocorriam com os Deuses Gregos, por exemplo, ninguém possuía a coragem de enfrentar a Fúria de Zeus.

É uma forma de “humanizar” os guias e orixás, e acredito estarem em um patamar que dispensa tais sentimentos e pensamentos primitivos. Portanto, minha gente, em meus quase 20 anos de Umbanda e um pouco de experiência que eu obtive com guias e orixás, acho luxúria excessiva tal solicitação, é claro que, ouvirei de certos filhos que isso pode ser um ensinamento que o guia tá dando, que o guia sabe o que faz e blá, blá, blá, mas vale lembrar que acima do guia no ato da incorporação, há sim a cabeça do médium que pode prejudicar a comunicação entre guia e matéria. Portanto, o intuito desse blog é além de compartilhar o pouco da minha experiência, é tentar desmistificar algumas tradições que foram oriundas de simples superstições sem o devido embasamento, que de certa forma, acho que é o caso dessa situação.

A Exigência de um whisky de boa qualidade para uma pessoa, que se ali houvesse uma entidade firme, não pediria algo tão caro para alguém desempregado, e isso, nada mais é, do que mais uma história de ignorância do Grande Livro que escreve a nossa Amada e Singular Umbanda.

Enfim, essa é minha opinião, para a entidade, whisky é whisky, e acima da qualidade do whisky, existe o pensamento, que é a maior força do Universo, existe sim o propósito, o objetivo do médium da entidade e da própria entidade, o álcool, é apenas algo supérfluo que possui influência apenas em nosso limitado plano materialista, portanto, ele é secundário servindo apenas como base e auxílio para o trabalho terrícola.

Portanto, de boa ou má qualidade, o mais importante é a vibração da entidade e do medium, e acima de tudo, as intenções de ambos para a prática do Amor e da Caridade.

Repito, muitos guias falam brincando, porém, se a entidade exige algo tão ostentador em um templo que prega a simplicidade e a humildade, fatalmente ali não é um ser de luz que vos fala.

Um cordial Saravá.

Aranauam.

Neófito da Luz.

Leia Também..

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: